Usinas da Paz vão entrar na segunda etapa de construção

Redação Por: Redação

Foco Novidades

Publicado em 03/07/2020 17:15h

Usinas da Paz vão entrar na segunda etapa de construção

Status das obras foi apresentado por representantes da Seac ao governador Helder Barbalho.

 

Representantes da Secretaria Estratégica de Articulação da Cidadania (Seac) apresentaram, ao governador Helder Barbalho, detalhes sobre o andamento das obras das 10 Usinas da Paz, que começaram em abril deste ano. A reunião foi realizada na tarde desta quarta-feira (1º). 

As Usinas da Paz fazem parte do programa Estadual Territórios Pela Paz (TerPaz), coordenado pela Seac, em rede com 34 secretarias e órgãos de governo, e irão beneficiar moradores da Região Metropolitana de Belém e do sudeste paraense, sendo cinco na capital (nos bairros do Benguí, Cabanagem, Guamá, Jurunas e Terra Firme), uma em Ananindeua (no Icuí-Guajará), uma em Marituba (Nova União), uma em Parauapebas, uma em Marabá e outra em Canaã dos Carajás.

“Apresentamos ao governador resultados parciais do processo de construção das Usinas. Em que pese estarmos passando por um período crítico de pandemia, as obras seguiram o fluxo mantendo todos os protocolos de segurança e não pararam. Conseguimos avançar na primeira etapa que consiste na topografia, sondagem do terreno e terraplenagem e agora estamos nos preparando para a segunda etapa que é a construção das estruturas” - Ricardo Balestreri, secretário estratégico de Articulação da Cidadania.

O projeto do governo do Estado está sendo executado em parceria com as empresas Vale e Hydro, que estão arcando integralmente com os custos das Usinas. O governo não receberá nenhum recurso econômico, mas receberá as Usinas prontas e equipadas. Os investimentos por parte da Vale somarão R$ 102 milhões. A empresa é a responsável pelos projetos executivos das unidades da Cabanagem, Benguí, Icuí, Nova União, Parauapebas, Canaã dos Carajás e Marabá. Já por parte da Hydro, o investimento de R$ 60 milhões será destinado à construção dos espaços nos bairros do Guamá, Terra Firme e Jurunas, beneficiando mais de 220 mil pessoas.

“As Usinas da Paz serão um grande instrumento para que a gente possa contribuir na redução da violência nos bairros, serão espaços onde a população poderá ser acolhida, ter lazer, atendimento de saúde. É um dos mais importantes marcos do governo do Estado para alcançar a paz social que buscamos”, ponderou o coronel Marcos Lopes, diretor das Usinas da Paz.

Primeira etapa da obra no terreno da Usina da Paz na Cabanagem está sendo finalizada.

Projeto – Coordenadas pela Seac, as Usinas da Paz consistem em grandes complexos públicos, em áreas de aproximadamente 10 mil metros quadrados, com a finalidade de garantir a permanência do Estado nos territórios, com ênfase na prevenção à violência, inclusão social e fortalecimento comunitário, com três eixos fundamentais: assistência, esporte/lazer e cultura.

As UsiPaz terão complexos esportivos, salas de audiovisual, inclusão digital e vários serviços, como atendimento médico e odontológico, consultoria jurídica, emissão de documentos, ações de segurança, atividades profissionalizantes, espaço multiuso para feiras, eventos e encontros da comunidade. Também haverá espaços para cursos livres, dança, artes marciais, musicalização e biblioteca.

Além de democratizarem o acesso ao esporte, lazer e à produção cultural, essas atividades concretizarão a convivência comunitária e propiciarão a prestação de serviços pelas secretarias estaduais e órgãos governamentais envolvidos no TerPaz.

Reprodução: Paulo Garcia (SEAC) - Agencia Pará

Foto: Reprodução/ Agencia Pará

 

Comentários

Deixe seu comentário abaixo sobre esta notícia:

É Notícia Tapajós - Blog de Notícias